“3ª geração de células solares sensibilizadas com perovskita”

O projeto WinPSC visa o desenvolvimento de um protótipo de pequena dimensão de painéis fotovoltaicos com a tecnologia de células solares sensibilizadas com perovskita que sejam comercial e industrialmente viáveis. Um grande esforço tem sido dedicado à obtenção de dispositivos com desempenho fotovoltaico muito elevado, mas pouca atenção tem sido dada ao estudo de aspetos mais tecnológicos embora essenciais para uma futura produção industrial.

Para transformar as células solares sensibilizadas com perovskita num produto comercializável é ainda necessário responder aos desafios seguintes e para os quais o projeto WinPSC tentará contribuir:

  • Elevada instabilidade das PSCs na presença de humidade e oxigénio, o que limita grandemente o seu tempo de vida útil;
  • Utilização de um contacto metálico de ouro opaco que limita a produção de dispositivos semitransparentes a baixo custo para aplicações BIPV;
  • Necessidade de desenvolver estratégias para aumento de escala da tecnologia PSC;
  • Falta de conhecimento sobre a estabilidade das PSCs a longo-termo;
  • Possibilidade de aumento de eficiência;
  • Substituição do elemento chumbo na perovskita por um elemento ambientalmente mais sustentável.

Projeções preliminares de custos indicam claramente que esta tecnologia fotovoltaica possui um forte potencial de se tornar uma tecnologia competitiva com características mecânicas, óticas e estéticas favoráveis à sua aceitação comercial e que facilitam a sua implantação no mercado por possuírem a funcionalidade de serem facilmente integráveis no ambiente da construção. De facto, a tecnologia de células solares sensibilizadas com perovskitas encontra-se numa fase de amadurecimento tecnológico pelo que participar ativamente com soluções tecnológicas neste momento permitirá aos promotores aceder a uma fatia interessante da cadeia de valor desta tecnologia.

A EFACEC dispõe de uma rede mundial de delegações e parceiros. Está presente com ativos institucionais e humanos em Portugal e em vários mercados internacionais considerados como prioritários: Península Ibérica, Europa Central, Estados Unidos da América, América Latina, Magrebe, África Austral e Índia. Serão por isso estes os mercados estratégicos alvo dos resultados deste projeto. A UPorto e a UMinho integram também este consórcio; estas três entidades são paceiras na temática de células fotovoltaicas desde 2010 e visam a obtenção de avanços tecnológicos e usá-los para fomentar a transferência de tecnologia das universidades para a indústria.

Este projeto permitirá dotar o consórcio de competências técnicas para se poder posicionar no mercado emergente das células solares sensibilizadas com perovskitas a funcionarem como tecnologia de produção de energia através de fontes renováveis, podendo vir a corresponder a exigências ambientais cada vez mais restritivas.A nível da notoriedade, o projeto proposto contribuirá para reforçar a posição do consórcio como um player mundial competente e altamente tecnológico, contribuindo assim para uma estratégia de internacionalização que assenta nesses mesmos valores.

Notícias